sábado, 30 de abril de 2011

é você, só você.

O céu estava alaranjado, era um fim de tarde. Pessoas caminhavam apressadas, e o vento parecia estar com  mais pressa ainda, fazia os cabelos se rebelarem em não poder seguir o fluxo e viajar o mundo  guiados simplesmente pelo vento.
Barulhos de carros, motos, pedaços de conversa, saltos batiam no chão, e alguns bebês choravam, gargalhadas, latidos, e as folhas das árvores produziam a trilha sonora da minha vida, naquele momento.., muito barulho e ao mesmo tempo todo silêncio.
As mãos entrelaçadas faziam me sentir um pouco da tudo. Sentimentos, emoções e sensações se misturavam e eu não conseguia fazer nada além de observá-lo. Era como se nada me incomodasse. Naquele lugar, com aquele menino tudo parecia um tanto quanto surreal.
Dizem que palavras não podem descrever um sentimento tão sublime, mas acredito nas palavras.
Eu me sentia voando nas nuvens guiada por aquelas mesmas mãos, e quando percebi que já era tarde da noite. Sorri de leve, e pensei o quanto é bom saber que ainda estamos juntos.


Te amo meu menino.

Um comentário:

Thaís disse...

Vocês se amam e eu amo os dois! :)